9 de novembro de 2013

Coisas que apreendi com a minha viagem ao Peru.

Dolares_PassaporteDinheiro: Cuidado com ele!

A princípio, sempre tenha um pouco de dinheiro local (novo sol) para aquelas necessidades básicas, bem como necessárias durante a viagem. Para aqueles que estejam indo a Cusco, através de Assis Brasil e, precise trocar moeda brasileira – ou não – por moeda peruana, existe na cidade de Iñapari, o Bar da Tuca – em frente à aduana peruana. A proprietária – que dá nome ao bar – faz o câmbio. Ela fala português, e ainda te explica ‘tim-tim por tim-tim’ como você pode identificar uma nota falsa. Troque o bastante para pagar as despesas que possam surgir durante o trajeto, e para os dois primeiros dias em Cusco. Dessa forma (trocando o seu dinheiro aos poucos), você evita perder muito, por conta da cotação desfavorável, quanto por receber dinheiro falso. Pelo que andei ouvindo, isso é bem comum na cidade mais ‘turística’ do Peru.  Por esse motivo, sempre, prefira notas de valores menores. Ah… e, se for comprar dólares em sua cidade para levar, fique atento a duas coisas: a primeira, se a nota é velha – ou esteja com algum rasgo; segunda, não aceite notas de 1 dólar. Pois, há uma grande resistência dos comerciantes em aceitá-las. A desculpa? O banco não aceita.

  • Na rodoviária de Puerto Maldonado, as empresas não aceitam dólares, não adianta mimimi. Você sabia que as empresas de ônibus de viagem peruanas não fazem paradas? Que tal se preparar pra passar esse tempo ocioso? Pois bem, escrevi uma postagem em que dou várias dicas. Esteja preparado pra ‘lutar’ contra ele. 

mercado central de san pedro-1

Para economizar…

Em épocas de festas, os preços das passagens de ônibus aumentam significativamente. Quando estivemos na cidade de Puerto Maldonado no final do ano passado – próximo às festas natalinas -, por exemplo, comprei passagens à cusco num valor. E, quando voltei… encontrei passagens mais baratas. Por isso, prefira viajar fora desse período.

Cusco é caríssima. E, isso a gente não sente muito num primeiro momento. Basta conhecermos, outras cidades para que a ficha caia (Arequipa, por exemplo). Provavelmente, o motivo (de ser tão caro) esteja no fato dela está na rota de milhares de viajantes que passam por ela, com o objetivo de conhecer Machu Picchu.

Se você realmente quer economizar, principalmente, na hora de comprar os presentes dos familiares e amigos no Mercado Municipal San Pedro. Sugiro que sempre pechinche, e muito… – pois, eles aumentam o valor da mercadoria (nada mais que natural) só por saber que você é turista (disso não tenha dúvida). – afinal de contas, você não quer deixar ninguém sem uma lembrança de sua viagem.

  • Em dúvida do que trazer?  Os produtos – destaco dois: Leite, muito mais encorpado e grosso que o nosso, e o doce de leite – da marca ‘Glória’ são ótimos, tanto que dominam as prateleiras dos supermercados.

“Andar” de taxi no Peru é ‘barato’. Imagina de ônibus? Baratíssimo. Pagar-se cerca de 5 a 8 nuevo soles numa corrida da Plaza de Armas até o Terminal de ônibus. Eu nem me atrevo a comparar os preços praticados no Peru com os daqui (Brasil). O custo x benefício vale super a pena. – ahh! Importante: lembre-se, sempre, de acertar o valor da corrida, antes de entrar no taxi. Apesar das vantagens do taxi, fiz questão de conhecer o outro lado da moeda. E, me surpreendi com o que vi. Achei o sistema de transporte público muito tranquilo, e eficiente – no pouco que utilizei. O coletivo (ônibus) te expõe mais, sobretudo, no quesito de interação com os nativos. E, esse fator é o que mais me fascina numa viagem independente.

Outra forma de economizar bastante é comprando o Boleto Turístico. Provavelmente, você não saiba, mas, a maior parte dos museus – sobretudo, os que possuem maior importância – são pagos, e pra dá conta ‘financeiramente’ de todos – ou a maioria – vale o investimento.

chadecoca

Aclimatando-se…

Em Cusco, descer é mais fácil que subi. E, isso fica mais visível, quando temos que subi um lance de escadas. Por isso, vá devagar… sempre! Tomar o chá de coca ajuda a aliviar os efeitos da altitude. Ah! Vale lembrar que, ela não tem nenhum efeito do ‘barato’ da droga. Prefira, o chá da própria folha. É melhor que os sachês.

Ficava impressionado com a cor avermelhada das bochechas das crianças. Cheguei por algum tempo pensar que as mães passavam ruge. Mas, – perguntei e – descobrir  que era por conta do frio.

chelagarto2

Onde se hospedar…

Você já deve ter notado o quanto gosto de me hospedar em Hostels (aqui no Brasil, são mais conhecidos como albergues). Em Cusco, escolhemos o Che Lagarto, e amamos… em especial a linda vista que se tem do alto da Plaza de Armas, imagina no café da manhã? Coisa dos deuses! Já em Arequipa, havíamos reservado o Bothy Hostel pra todos os dias em que estaríamos na cidade, mas, desistimos, e só dormirmos uma noite (entenda o porquê clicando no nome do Hostel). Encontramos outra opção mais interessante na esquina, o Hostal Santa Catalina. Essa é a minha primeira experiência de se hospedar num Hostal. Apesar dele, e do Hostel possuírem grafias semelhantes, ambos possuem aspectos que os fazem tão distintos entre si.

Quer continuar nos acompanhar nas redes sociais?

Está esperando o que para curtir  nossa página no Facebook e nos seguir no Twitter?

Administrador e Editor Geral do conteúdo do Blog. Graduado em Letras com Inglês, formação técnica em Turismo e Hotelaria, com certificação internacional pela International Cultural Center (ICC); É apaixonado pelo aprendizado de línguas estrangeiras. Fala Inglês e Espanhol. Adora viajar de forma independente, mas, sem dispensar a companhia de sua companheira, e sua grande admiradora, a mãe!

7 Respostas para “Coisas que apreendi com a minha viagem ao Peru.”