7 de julho de 2011

A recuperação da economia norte americana: em nossas mãos?

Após a visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama ao Brasil tendo como objetivo estreitar e fortalecer as relações de ambas as nações, e fechar acordos em áreas específicas que não estava relacionada ao que a associação de agentes de turismo queria – a inclusão do país na lista de isenção do visto de turismo para seus cidadãos. Ficou visível, o interesse deles em facilitar a entrada de turistas brasileiros em terras norte-americanas, principalmente, por temerem que a atual crise que afeta os países europeus (entre eles: Portugal [sugiro a leitura do post – Crise portuguesa: Que crise?] e a Grécia), o que os Estados Unidos não querem (em qualquer momento) é, que uma crise com igual ou pior proporção a crise de 1929, os afetem.

Assim, a partir da temática central: “a recuperação da economia norte-americana” trago algumas ideias apresentados por Tim Rogers, autor do artigo:  Os Deixem entrar: Como os brasileiros poderiam ajudar a economia dos Estados Unidos (clique aqui, e leia-o na integra [em inglês]), publicado no site TIME, parceira da CNN.

Vejamos:

  • Somos os que mais gastam, mas até do que qualquer outra nacionalidade; Gastamos cerca de 43,3 milhões num dia.
  • Um novo quadro: antes íamos aos EUA para trabalhar, hoje vamos a lazer e consequentemente, criamos mais empregos;
  • Retrato disso são os investimentos dos resorts de esquis em Vermont que tem contratado instrutores que falem o português, pelo crescimento da demanda.
  • Em um ano, após a liberação do visto de turismo para o Brasil (e também ao Chile), se injetaria na economia norte americana cerca de 10,3 bilhões, e o turismo geraria cerca de 95.100 novos empregos.

 

Além desses pontos no decorrer do texto, ele destaca alguns outros, entre eles:

  • O modo como eles (oficiais de segurança) tratam o turista;
  • Para um país com proporções continentais com o Brasil, o número atual de embaixadas (4, Rio de janeiro, São Paulo, Recife e Brasília) são insuficientes para a demanda de solicitações de visto (só em São Paulo são cerca de 2,300 de vistos todos os dias, mas que qualquer outro país).
  • Para pessoas que não moram num dos quatros eixos sinalizados, gasta-se muito mais do que se imagina (transporte, alimentação, custos comuns com o pagamento do visto, hospedagem…);
  • O tempo de espera pode ser de 141 dias, enquanto o tempo médio em outros países seria de cerca de 30 dias;

 

O que você pensa sobre o assunto (a isenção de visto de turismo para Brasileiros)? Já precisou tirar o visto? Gostaria de compartilhar conosco? Comente, sugira novos artigos, critique (de forma construtiva)… Que tal nos seguir no twitter (clique aqui)?

 

Administrador e Editor Geral do conteúdo do Blog. Graduado em Letras com Inglês, formação técnica em Turismo e Hotelaria, com certificação internacional pela International Cultural Center (ICC); É apaixonado pelo aprendizado de línguas estrangeiras. Fala Inglês e Espanhol. Adora viajar de forma independente, mas, sem dispensar a companhia de sua companheira, e sua grande admiradora, a mãe!

4 Respostas para “A recuperação da economia norte americana: em nossas mãos?”