16 de setembro de 2010

Albergues, um meio de hospedagem que atrai mais e mais viajantes.

Conforto aliado a preço baixo, simplicidade e praticidade, são os motivos que fazem com que a procura por albergues cresça a cada vez mais. O público que mais utiliza os HOSTELs, (assim conhecidos em todo o mundo), os hospedes mais comuns são jovens, este que são os responsáveis por promoverem as trocas culturais. E o melhor, é que encontramos albergues com preços variados e diversos serviços.

Salvador (capital do estado da Bahia) é a cidade com a maior concentração de albergues aqui no Brasil; os albergues, em geral, possuem: quartos individuais, ou compartilhados (4 à 16 camas), área de convivência, onde  se encontra a televisão e o computador, que estão estrategicamente  localizada na área de convivência para que os hospedes interajam-se mais facilmente. Os banheiro geralmente ficam localizados fora dos quartos, muitas vezes, a cozinha é toda equipada (com panelas, pratos, pano de prato …), mas nem todos albergues estão equipados para receber os viajantes despreparados (sem tais kits de “sobrevivência”).

Caso a idéia de compartilhar um quarto com desconhecidos lhe assuste, mas, os albergues também possuem os quartos individuais, que também são “uma boa pedida”, talvez você não saiba, mas um hostel pode ser bem confortável, com TV, frigobar e banheiro exclusivo; Claro que o conforto vai ficar um pouco mais caro.

É importante, salientar aos que estão viajando pela primeira vez, se hospendando num albergue, você deverá pagar as diárias com Dólar ou Peso (neste caso, me refiro a Argentina), e não é com cartão de crédito, mas sim, com dinheiro vivo.

Em viajem a Argentina me hospedei num albergue, considerado as camas mais baratas de San Telmo.

O café da manhã no Hostel San Telmo, não é nenhuma maravilha, é um Chá-fé (assim batizei o café argentino, ou pelo menos o que experimentei no albergue, um café em Sachê) e um alfajor, que é um biscoitinho, (dica: vale a pena comprar uma caixa de Alforjes,  não é caro, e é uma delicia). Os atendentes são prestativos, se você não souber como chegar a determinado lugar, é só perguntá- a eles, e eles o ensinará. Não utilizei a lavadeira, por isso pergunte ao atendente que ele lhe indicará a lavadeira mais próxima do Hostel.

Na época que estive em Buenos Aires, (do 21 ao dia 29/12/2008) o hostel estava bem tranquilo, assim tive uma boa experiência. Só o dividi (o quarto), com um amigo da comunidade: “Eber, quero fazer um mochilão!!!”  que estava indo com o restante do grupo de mochileiros que estavam indo para Ushuaia.

Fica a dica!

Siga-nos no Twitter (www.twitter.com/sepluganomundo ou @sepluganomundo ) e saiba quando postarmos algum artigo aqui no site.

Administrador e Editor Geral do conteúdo do Blog. Graduado em Letras com Inglês, formação técnica em Turismo e Hotelaria, com certificação internacional pela International Cultural Center (ICC); É apaixonado pelo aprendizado de línguas estrangeiras. Fala Inglês e Espanhol. Adora viajar de forma independente, mas, sem dispensar a companhia de sua companheira, e sua grande admiradora, a mãe!

Sem comentários até agora... Seja o primeiro a deixar uma resposta!