2 de março de 2010

Hotel da Bahia, pode fechar as suas portas nos próximos dias

Fonte: Tribuna da Bahia




Um dos maiores símbolos do high society baiano do século XX está com os dias contados: o Hotel da Bahia vai ser fechado dia 7 de março. A Rede Tropical, que administra o empreendimento desde 1985, alegou que a decisão foi motivada pelos baixos lucros obtidos nos últimos anos, pelo alto custo do aluguel – cerca de R$150 mil mensais –, e pela falta de investimentos dos órgãos de turismo competentes na região do antigo centro da cidade.


O prédio pertence ao Instituto Aerus de Seguridade Social (Aerus), formado por antigos funcionários da companhia de aviação Varig. A equipe de reportagem procurou, sem sucesso, entrar em contato com os representantes da Aerus para saber qual destino será dado ao imóvel. Entretanto, informações extraoficiais dão conta de que o hotel será vendido para quitar dívidas da seguradora. Esse é o segundo grande empreendimento turístico de Salvador a suspender as atividades no período de um ano, depois do Salvador Praia Hotel, fato que preocupa os empresários do setor.
A alienação do imóvel significa uma perda considerável para o patrimônio histórico da cidade, já que o Hotel da Bahia (ou Grande Hotel da Bahia, como já foi chamado) foi o primeiro empreendimento cinco estrelas da cidade. Construído no final da década de 40 do século passado, na gestão do governador Octávio Mangabeira, o hotel surgiu quando o país vivia a queda do Estado Novo e início de um momento de tranquilidade para a sociedade brasileira. No apogeu de seus 61 anos de existência, chegou a abrigar reis, príncipes, presidentes e artistas do naipe de Michael Jackson e até o grupo portorriquenho Menudo, que fazia milhões de brasileirinhas suspirarem nos idos de 1985.


Cláudio Oliva, representante da Rede Tropical, explicou via telefone, de São Paulo, que o hotel vem dando prejuízo há cerca de quatro anos. “Nos últimos 10 anos, os investimentos governamentais e particulares migraram para a região da Pituba e Avenida Paralela. O Hotel da Bahia ficou fora desse eixo de expansão. Além disso, falta estacionamento no Campo Grande, o trânsito é caótico e ficamos muito distantes do Aeroporto”, disse.
Oliva conta que nos últimos tempos o hotel só apresentava uma balança positiva no Carnaval e durante alguns eventos realizados no local. “Nós lucrávamos cinco meses por ano, enquanto os prejuízos se acumulavam. Enxugamos a administração ao máximo sem comprometer a qualidade, mas não teve jeito. Estudamos diversas saídas nos últimos três anos até que finalmente chegamos à conclusão de que a única saída seria entregar o empreendimento”, informou.

OBRAS DE ARTE  são do poder público

O fato do Hotel da Bahia fechar suas portas no próximo dia 7 de março, segundo nota da Rede Tropical de Hotéis, preocupa a Fundação Gregório de Mattos. Segundo o poeta Antonio Lins, presidente do órgão, no interior do hotel encontram-se obras importantíssimas de Caribé e Genaro de Carvalho, um mestre da tapeçaria baiana, que pertencem ao poder público. A Fundação Gregório de Mattos aguarda uma manifestação da direção do hotel, sobre a preservação do acervo ali instalado.

O fim de mais um símbolo de uma era de glamour

O presidente da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH)-seção Bahia, Ernani Pettinati disse que só ontem a entidade foi informada oficialmente do fechamento do hotel. Para Pettinati, é  fundamental que autoridades e empresários reflitam sobre a importância do estabelecimento, considerado um ícone da história hoteleira da Bahia.
Pedro Galvão, presidente da Associação Brasileira das Agências de Viagens na Bahia (Abav), classificou como “deplorável” a situação. “Trata-se do primeiro grande hotel que Salvador já teve. Faz parte da história e do patrimônio cultural da cidade. Não é possível que venha a ser liquidado para sanar débitos do fundo de pensão da Aerus.
As autoridades que dirigem o turismo no Estado deveriam se mobilizar para evitar o fim do empreendimento. Além disso, vender o imóvel nessas condições é um tiro no pé em termos comerciais, pois o hotel fechado vale muito menos do que se estivesse em plena atividade”, argumentou.
Claudio Oliva disse que a Rede Tropical vai fazer o máximo para minimizar o transtorno dos demitidos do hotel, que tem 142 funcionários diretos. “Estamos estudando o remanejamento de pessoal para nossas unidades em Porto Seguro, João Pessoa e Manaus. Os funcionários podem ficar tranquilos que todos os direitos trabalhistas serão respeitados”, declarou.
O clima era de tristeza entre os funcionários. Trabalhando na empresa há 25 anos como mensageiro, Jubiraci dos Santos Costa, 51 anos, mais conhecido como “Bira mensageiro”, disse que chorou durante a reunião com a gerência. “É uma situação difícil, pois esse hotel foi uma verdadeira escola para muita gente. Espero que, com a minha experiência, eu volte ao mercado de trabalho dentro de dois ou três meses”.
Ontem, a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Turismo (Saltur) n
ão estava funcionando. Já as assessorias  de imprensa da Secretaria deTurismo do Estado da Bahia e Bahiatursa negaram que exista uma crise no turismo no Estado.

Eles afirmaram que a falta de investimentos alegada como motivo principal para o fechamento é infundada, já que diversas grandes redes hoteleiras estão previstas para se instalar em Salvador nos próximos anos: no Comércio, Rua Chile, Carmo e no antigo prédio do jornal A Tarde, na Praça Castro Alves.

Administrador e Editor Geral do conteúdo do Blog. Graduado em Letras com Inglês, formação técnica em Turismo e Hotelaria, com certificação internacional pela International Cultural Center (ICC); É apaixonado pelo aprendizado de línguas estrangeiras. Fala Inglês e Espanhol. Adora viajar de forma independente, mas, sem dispensar a companhia de sua companheira, e sua grande admiradora, a mãe!

2 Respostas para “Hotel da Bahia, pode fechar as suas portas nos próximos dias”

  1. que pena para quem trabalha no setor hoteleiro ,saber que estamos perdendo um hotel desse porte ,ainda mais na bahia eu trabalho no setor hoteleiro e sinto muito por isso

    • Verdade! Um pena… Já tem um tempo que não passo enfrente ao Hotel da Bahia, mas acredito que, alguém fará algo para que as atividades nele sejam reativados. É bom, ficar de olho, no Hotel com a Bandeira Hilton.